O PET-Agronomia é um dos 842 grupos do Programa de Educação Tutorial (PET) do Governo Federal. O grupo é formado por estudantes e um docente do curso de Engenharia Agronômica da Universidade Federal de São João del-Rei, Campus Sete Lagoas.

Universidade Federal de São João del-Rei
Rua Sétimo Moreira Martins, 188 - Bairro Itapoã
Sete Lagoas (MG)

História da Cenoura

16-05-2022 18:03

Os primeiros registros da hortaliça apontam os arredores do Afeganistão, na Ásia Central, como centro de origem da cenoura. Há dois mil anos, as raízes das variedades orientais eram roxas, vermelhas ou amarelas. A cenoura caminhou pela Arábia e pelo norte da África até chegar à península Ibérica por volta do século X. Na Europa, com o passar do tempo, o processo de seleção originou variedades brancas e laranjas, que foram os parentes distantes da cenoura moderna. Trazida ao Brasil pelos portugueses, acredita-se que as primeiras plantações ocorreram no século XIX no Estado do Rio Grande do Sul.

      Hoje, a cenoura está entre as hortaliças mais consumidas pelo brasileiro, sendo amplamente cultivada em todo o País e em todas as estações do ano, com exceção da região Norte devido às condições climáticas. O estado que mais se destaca na produção dessa hortaliça é Minas Gerais, já que a região de São Gotardo adota um alto nível tecnológico. Outros estados também têm produção relevante como Rio Grande do Sul, Paraná, Goiás e Bahia.

      Estima-se que anualmente são cultivados cerca de 20 mil hectares, que resultam em uma produção de mais de 700 mil toneladas. “O fator climático mais relevante para a produção de cenoura é a temperatura porque, por ser uma espécie de clima ameno, originalmente ela não tolera bem o calor: o desenvolvimento e a produtividade de raízes ficam comprometidos em climas quentes”, alerta o pesquisador Agnaldo Carvalho.

       Por tal motivo, até o início da década de 80, era impraticável plantar cenoura nos meses de primavera e verão em algumas regiões de Brasil porque, nesse período, aumenta a ocorrência da doença queima-das-folhas, que prejudica muito a quantidade e a qualidade das raízes. O consumidor, até então, ficava sujeito à flutuação dos preços e à sazonalidade da oferta do alimento.

Fonte de nutrientes e ingrediente versátil

      A cor laranja mostra que a cenoura é uma das principais fontes naturais de betacaroteno, um pigmento antioxidante e precursor da vitamina A. Ela também fornece fibras e minerais como cálcio, sódio e potássio. A forma mais comum de consumo são as raízes cruas ou cozidas - raladas ou fatiadas - em saladas, mas a versatilidade da cenoura permite utilizá-la como ingrediente de bolos, sopas, pães, tortas, sucos, suflês e doces. Além do consumo fresco, a raiz é muito usada como matéria-prima da indústria alimentícia para produção de minicenouras ou processadas em seleta de legumes, iogurtes e papinhas.

 

https://www.embrapa.br/busca-de-noticias/-/noticia/49845405/a-historia-da-cenoura#:~:text=Grande%20do%20Sul-,Os%20primeiros%20registros%20da%20hortali%C3%A7a%20apontam%20os%20arredores%20do%20Afeganist%C3%A3o,por%20volta%20do%20s%C3%A9culo%20X.