O PET-Agronomia é um dos 842 grupos do Programa de Educação Tutorial (PET) do Governo Federal. O grupo é formado por estudantes e um docente do curso de Engenharia Agronômica da Universidade Federal de São João del-Rei, Campus Sete Lagoas.

Universidade Federal de São João del-Rei
Rua Sétimo Moreira Martins, 188 - Bairro Itapoã
Sete Lagoas (MG)

Histórico do Maracujá no Brasil

07-12-2020 11:07

A primeira referência ao maracujá no Brasil se refere à 1587 no Tratado Descritivo do Brasil, de Gabriel Soares de Sousa, como “erva que dá fruto”. A palavra maracujá, se originou de uma denominação indígena, de origem Tupi, sendo “alimento em forma de cuia”. E devido à apreciação dos colonizadores às conformações das flores rubras, algumas plantas foram expedidas como presentes ao Papa Paulo V (1605-1621), que as cultivou em Roma e diante tal admiração, a considerou como a representação da revelação do divino. Em razão às características das flores, a planta passou a ser relacionada com a “Paixão de Cristo” e assim, gerou o nome do gênero botânico Passifora, passio – paixão; flos, oris – flor.
O maracujá se apresenta em mais de 150 espécies no Brasil, e, apesar de tamanha variedade, o maracujá-amarelo ou maracujá-roxo, mais azedos (Passiflora edulis), e o maracujá-doce (P. Alata) são os mais difundidos no Brasil e apresentam o alto valor comercial, in natura ou nas indústrias de bebidas, cosméticos e farmacêutica. A produção do maracujá no Brasil é a maior do mundo, alcançando 330 mil toneladas, sendo os principais produtores a Bahia, São Paulo, Ceará e Pará.


Fonte: A Feira – Histórico do maracujá, UFRGS