O PET-Agronomia é um dos 842 grupos do Programa de Educação Tutorial (PET) do Governo Federal. O grupo é formado por estudantes e um docente do curso de Engenharia Agronômica da Universidade Federal de São João del-Rei, Campus Sete Lagoas.

Universidade Federal de São João del-Rei
Rua Sétimo Moreira Martins, 188 - Bairro Itapoã
Sete Lagoas (MG)

Origem do controle biológico

19-07-2021 17:14

 

Controle biológico é definido como "o uso de organismos vivos para suprimir a população de uma praga específica, tornando-a menos abundante ou menos danosa". O termo "praga" é definido como sendo qualquer espécie, linhagem ou biotipo de uma planta, animal ou agente patogênico, daninho ou potencialmente daninho para os vegetais ou animais.

Seu início data do século III a.C. na China, quando se observou que formigas (Oecophylla smaragdina) predadoras reduziam as populações de pragas dos citros. Os citricultores chineses colocavam ninhos de formigas predadoras nas árvores onde essas alimentavam-se com folhas de alimentação dos insetos praga do citrus.

O primeiro registro do controle biológico com parasitoides aconteceu em 1602 quando o italiano Aldrovandi relatou o parasitismo da lagarta-das-crucíferas (Pieris sp.) por Apanteles glomeratus.

O controle biológico era empregado há 4000 anos atrás no Egito, onde os gatos domésticos eram utilizados no controle de roedores.

O termo foi mencionado pela primeira vez em 1919 por Harry Scott Smith, no qual ele pretendia referenciar o uso de inimigos naturais no controle de insetos-pragas. Em seguida esse termo passou a ser utilizado para todas as formas de controles alternativos aos produtos químicos, que envolvessem organismos vivos.

No Brasil, o primeiro inseto introduzido para uso como agente de controle biológico foi o parasitoide Prospaltella berlesei, importado dos EUA em 1921, para o controle da cochonilha escama-branca (Pseudaulacaspis pentagona). Em 1994 foi introduzido também dos EUA Diachasmimorpha longicaudata, para o controle das moscas-das-frutas (Ceratitis capitata e Anastrepha fraterculus), em diversas frutíferas.

 

Fonte: https://docs.ufpr.br/~microgeral/BIOMED2013aulacontrolebiologico.pdf