O PET-Agronomia é um dos 842 grupos do Programa de Educação Tutorial (PET) do Governo Federal. O grupo é formado por estudantes e um docente do curso de Engenharia Agronômica da Universidade Federal de São João del-Rei, Campus Sete Lagoas.

Universidade Federal de São João del-Rei
Rua Sétimo Moreira Martins, 188 - Bairro Itapoã
Sete Lagoas (MG)

Origem da Pimenta-do-reino

05-09-2022 19:43

   A pimenta-do-reino, uma das especiarias mais antigas conhecidas, é originária do sudeste da Índia. É cultivada principalmente em países de climas tropicais e subtropicais. Sendo assim, encontra no Brasil condições ideais para o seu cultivo. Sua produção no Brasil é exportada para dezenas de países, nas formas de pimenta preta, pimenta branca e pimenta verde ou em salmoura, sendo que a maior parte produzida é de pimenta preta.
   Cerca de 90% da produção brasileira é exportada para outros países, cabendo apenas 10% ao consumo interno. Estados Unidos, Holanda, Argentina, Alemanha, Espanha, México e França são os maiores importadores da pimenta brasileira.

     Na região Norte brasileira, a cultura tem grande importância econômica e social. Trata-se de uma cultura que absorve a mão de obra rural e representa um fator de incremento da renda familiar, devido ao alto preço alcançado no mercado doméstico e internacional.

     A pimenta-do-reino é usada em larga escala como condimento, proporcionando sabor agradável e facilitando a digestão dos alimentos, sendo consumida também pelas indústrias de carnes e conservas e, ainda, nas indústrias farmacêuticas. É utilizada na culinária de diversos países. Tem sabor forte, levemente picante, proveniente da piperina, um dos seus principais compostos químicos ativos. Por isso, foi muito utilizada, desde a idade média até alguns séculos depois, para disfarçar o sabor dos alimentos em início de decomposição.

     Dicas para a produção da pimenta-do-reino:

   A primeira etapa para o plantio da pimenta-do-reino é escolher a área, observando as exigências quanto ao clima e ao solo. Além das características do solo, também devem ser considerados os aspectos fitossanitários, visto que a Fusariose é um dos problemas mais sérios da pipericultura. A distância entre uma área infestada e a que vai ser plantada deve ser de 1000 metros. O solo não pode ser sujeito a encharcamento. Deve-se escolher área com topografia ligeiramente plana e lençol freático profundo, solos preferencialmente areno-argilosos para facilitar a infiltração da água.